Como o Estado administra não só a vida como também a morte de determinados cidadãos? De que maneira o desaparecimento de pessoas e corpos se constitui como um mecanismo em contínuo funcionamento? De quem são os cadáveres que o Estado não quer nomear? Essas são algumas das questões que o filósofo e psicanalista Fábio Luís Franco levanta ao desenvolver uma análise do processo de produção, normatização e apagamento sistemáticos da morte, com foco na atuação de forças do Estado.

 

Tendo como base o conceito do filósofo camaronês Achile Mbembe de necropolítica, Franco recupera nas guerras coloniais os mecanismos de contrainsurreição que foram legados aos generais das ditaduras latinoamericanas e fizeram do desaparecimento um método de repressão. Mas esse não é um fenômeno de "exceção" durante a ditadura, ao contrário, como mostra Franco, ele está entranhado na estrutura governamental do Brasil, presente nas mais diversas estratégias que tornam o desaparecimento um modo de governar. Não é preciso que o Estado mate; basta que ele deixe morrer ou deixe matar. Ou ainda: que deixe que se matem uns aos outros. Não é preciso que o Estado suma com os corpos; é suficiente que não procure os desaparecidos nem quem os fez desaparecer. O mesmo se estende às mortes por epidemias, ignoradas ou camufladas pelos poderes públicos. 

 

No momento em que o Brasil está entre os líderes de vítimas da covid-19 no mundo e ocorre uma banalização dessas mortes, uma política sistemática de dessensibilização do corpo social, o livro de Franco é ferramenta valiosa para a compreensão dos mecanismos da necropolítica que nos trouxeram até aqui.



COLEÇÃO EXPLOSANTE - coordenação Vladimir Safatle

 

Em um momento no qual revoluções se faziam sentir nos campos da política, das artes, da clínica e da filosofia, André Breton nos lembrava como havia convulsões que tinham a força de fazer desabar nossas categorias e limites, de produzir junções que indicavam novos mundos a habitar: “A beleza convulsiva será erótico-velada, explosante-fixa, mágico-circunstancial ou não existirá”. Tal lembrança nunca perderá sua atualidade.

 

A coleção Explosante reúne livros que procuram as convulsões criadoras. Ela trafega em vários campos de saber e experiência, trazendo autores conhecidos e novos, nacionais e estrangeiros, sempre com o horizonte de que Explosante é o verdadeiro nome do nosso tempo de agora.

Governar os mortos – Necropolíticas, desaparecimento e subjetividade

SKU
9786586497564
Em Estoque
Preço Especial R$46,67 Preço Normal R$54,90
Em Estoque

Calcule seu frete

    Orelha

    Flavia Medeiros Santos

    Prefácio

    Silvio Almeida

    Posfácio

    Vladimir Safatle
Características

Idioma

 português

Tipo

 brochura

Formato

 14 × 21 cm

Páginas

 176

Peso

 300

ISBN

 978-65-86497-56-4
Compre em ebook
Indisponível em ebook.

O que falam dessa obra

{{block class="\Magezon\PageBuilder\Block\Profile" elements="W3sidHlwZSI6InJvdyIsImNvbXBvbmVudCI6eyJ2aXNpYmxlIjp0cnVlLCJjb250cm9sIjp0cnVlfSwiZW5hYmxlX2NhY2hlIjp0cnVlLCJjYWNoZV9saWZldGltZSI6ODY0MDAsInJvd190eXBlIjoiZnVsbF93aWR0aF9yb3ciLCJhbGlnbiI6ImxlZnQiLCJiYWNrZ3JvdW5kX3R5cGUiOiJpbWFnZSIsImJhY2tncm91bmRfdmlkZW8iOiJodHRwczovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWxNSlh4aFJGTzFrIiwiYmFja2dyb3VuZF9zdHlsZSI6ImNvdmVyIiwiYmFja2dyb3VuZF9wb3NpdGlvbiI6ImNlbnRlci10b3AiLCJwYXJhbGxheF9zcGVlZCI6MC41LCJtb3VzZV9wYXJhbGxheF9zaXplIjozMCwibW91c2VfcGFyYWxsYXhfc3BlZWQiOjEwMDAwLCJjb250ZW50IjoiPHA+Q1VSVEHCoENsYXNzIGFwdGVudCB0YWNpdGkgc29jaW9zcXUgYWQgbGl0b3JhIHRvcnF1ZW50IHBlciBjb251YmlhIG5vc3RyYSwgcGVyIGluY2VwdG9zIGhpbWVuYWVvcy4gRXRpYW0gdmVsIGp1c3RvIGV1IGxhY3VzIGNvbnNlY3RldHVyIHBoYXJldHJhLiBTZWQgbHVjdHVzIGRpZ25pc3NpbSBvcmNpIGVnZXQgcGxhY2VyYXQuIE1hZWNlbmFzIGNvbnNlY3RldHVyIGZhY2lsaXNpcyB0b3J0b3IgdmVsIGNvbnNlY3RldHVyLiBGdXNjZSBjb25zZWN0ZXR1ciBzZWQgZW5pbSB1dCBkaWN0dW0uIE51bmMgaW1wZXJkaWV0IG1pIHZpdGFlIGxpYmVybyB2YXJpdXMsIGV0IGZhY2lsaXNpcyBkaWFtIHNvbGxpY2l0dWRpbi4gTnVsbGFtIGV1aXNtb2Qgc2NlbGVyaXNxdWUgdGVsbHVzLCBldSBlZmZpY2l0dXIgYW50ZSB2aXZlcnJhIG5vbi4gUGVsbGVudGVzcXVlIHZlc3RpYnVsdW0gbmVjIG5pc2kgdmVsIHNlbXBlci4gVmVzdGlidWx1bSBjb21tb2RvIHNhZ2l0dGlzIGZlbGlzIHNlZCBpbXBlcmRpZXQuIENyYXMgYWMgdmFyaXVzIG9yY2ksIHZlbCB2b2x1dHBhdCBvcmNpLiBWZXN0aWJ1bHVtIGxhb3JlZXQgYmliZW5kdW0gYXJjdSBtYXhpbXVzIGVsZW1lbnR1bS4gRG9uZWMgc2l0IGFtZXQgbWFzc2Egdml0YWUgbmVxdWUgY29uc2VxdWF0IHNlbXBlciBpbiBpZCBvZGlvLiBEb25lYyBpZCBwb3J0YSBuZXF1ZS48L3A+IiwiaWQiOiJvb2NjcGV1IiwiZWxlbWVudHMiOlt7InR5cGUiOiJjb2x1bW4iLCJjb21wb25lbnQiOnsidmlzaWJsZSI6dHJ1ZSwiY29udHJvbCI6dHJ1ZX0sImVuYWJsZV9jYWNoZSI6dHJ1ZSwiY2FjaGVfbGlmZXRpbWUiOjg2NDAwLCJhbGlnbiI6ImxlZnQiLCJiYWNrZ3JvdW5kX3R5cGUiOiJpbWFnZSIsImJhY2tncm91bmRfdmlkZW8iOiJodHRwczovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWxNSlh4aFJGTzFrIiwiYmFja2dyb3VuZF9zdHlsZSI6ImNvdmVyIiwiYmFja2dyb3VuZF9wb3NpdGlvbiI6ImNlbnRlci10b3AiLCJwYXJhbGxheF9zcGVlZCI6MC41LCJtb3VzZV9wYXJhbGxheF9zaXplIjozMCwibW91c2VfcGFyYWxsYXhfc3BlZWQiOjEwMDAwLCJsZ19zaXplIjoxMiwibWRfc2l6ZSI6MTIsInNtX3NpemUiOjEyLCJ4c19zaXplIjoxMiwiaWQiOiJvMnZ4ZmE2IiwiZWxlbWVudHMiOlt7InR5cGUiOiJ0ZXN0aW1vbmlhbHMiLCJjb21wb25lbnQiOnsidmlzaWJsZSI6dHJ1ZSwiY29udHJvbCI6dHJ1ZX0sImVuYWJsZV9jYWNoZSI6dHJ1ZSwiY2FjaGVfbGlmZXRpbWUiOjg2NDAwLCJ0aXRsZV9hbGlnbiI6ImNlbnRlciIsInRpdGxlX3RhZyI6ImgzIiwic2hvd19saW5lIjpmYWxzZSwiYWxpZ24iOiJsZWZ0IiwiYmFja2dyb3VuZF90eXBlIjoiaW1hZ2UiLCJiYWNrZ3JvdW5kX3ZpZGVvIjoiaHR0cHM6Ly93d3cueW91dHViZS5jb20vd2F0Y2g/dj1sTUpYeGhSRk8xayIsImJhY2tncm91bmRfc3R5bGUiOiJjb3ZlciIsImJhY2tncm91bmRfcG9zaXRpb24iOiJjZW50ZXItdG9wIiwicGFyYWxsYXhfc3BlZWQiOjAuNSwibW91c2VfcGFyYWxsYXhfc2l6ZSI6MzAsIm1vdXNlX3BhcmFsbGF4X3NwZWVkIjoxMDAwMCwibmF2IjpmYWxzZSwiZG90cyI6dHJ1ZSwibG9vcCI6ZmFsc2UsImF1dG9wbGF5X3RpbWVvdXQiOiI1MDAwIiwidGl0bGUiOiJvIHF1ZSBmYWxhbSBkZXNzYSBvYnJhIiwiaXRlbXMiOlt7Im5hbWUiOiIiLCJqb2IiOiIiLCJjb250ZW50IjoiIn0seyJuYW1lIjoiIiwiam9iIjoiIiwiY29udGVudCI6IiJ9LHsibmFtZSI6IiIsImpvYiI6IiIsImNvbnRlbnQiOiIifV0sImlkIjoicWN2aHQ4eCIsImVsZW1lbnRzIjpbXSwiYXV0b3BsYXkiOnRydWV9XX1dfV0=" }}
o que você achou do livro?
escreva seu comentário
Você está avaliando:Governar os mortos – Necropolíticas, desaparecimento e subjetividade
Qual a nota você dá para esse produto?
0/5